Páginas

BIBLIOGRAFIA

ADORNO, Theodor. Funcionalismo hoje.

ALMEIDA, Ronaldo & D'ANDREA, Tiarajú. (2004), Pobreza e redes sociais em uma favela paulistana. Novos Estudos, São Paulo, 68:94-106, mar.

ALMEIDA, Ronaldo de. Religião na metrópole paulista. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 19, n. 56, p. 15-27, 2004.

ARON, Raymond. Karl Marx. In_____. As etapas do pensamento sociológico. 5ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2000. 884 p.

BECKER, Howard. Problemas de Inferência e Prova na Observação Participante. In Métodos de pesquisa em Ciências Sociais. Cap. 2 São Paulo: Hucitec, 1994.

BERMAN, Marshall. Tudo que é sólido desmancha no ar: Marx, modernismo e modernização. In: ______. Tudo que é sólido desmancha no ar: a aventura da modernidade. São Paulo: Companhia das Letras, 1986.

BOURDIEU, Pierre; KÜHNER, Maria Helena. A dominação masculina. 9. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010. 158 p.

BOURDIEU, Pierre. A miséria do mundo. 8. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008. 747 p. 

BOURDIEU, Pierre. O campo político. In: CASTRO, Celso (org.) Textos Básicos de Sociologia. Rio de Janeiro: Zahar, 2014.

BOURDIEU, Pierre. Questões de sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1983. 208p

CABRAL FILHO, José S. Um futuro além da transgressão.

CAMPOS, Leonildo Silveira. Os Mapas, Atores e Números da Diversidade Religiosa Cristã Brasileira: Católicos e Evangélicos entre 1940 e. revista de estudos da religião, p. 9-47, 2008.

CAMURÇA, M. A. O Brasil religioso que emerge do Censo de 2010: consolidações, tendências e perplexidades. In: TEIXEIRA, Faustino; MENEZES, Renata (orgs.). Religiões em movimento: o Censo de 2010. Petrópolis: Vozes, 2013.

COLEMAN, James S. (1988). “Social Capital in the creation of human capital”. The American Journal of Sociology, Vol. 94, Supplement: Organizations and Institutions: Sociological and Economic Approaches to the Analysis of Social Structure. (p. S95-S120).

COMTE-SPONVILLE, André. O amor. Pequeno tratado das grandes virtudes. Martins Fontes, 1999.

CRESSWELL, Tim. 2011. Mobilities I: Catching Up. Progress in Human Geography, 35. 4: 550–58.

CRESSWELL, Tim. 2012. Mobilities II: Still. Progress in Human Geography, 36: 645–53.

CRESSWELL, Tim. 2014. Mobilities III: Moving on. Progress in Human Geography , 38 .5: 712-721.

DA SILVA, Flávio Honório. Anomia em Dostoiévski: negação de referências. TEOLITERARIA-Revista de Literaturas e Teologias ISSN 2236-9937, v. 1, n. 2, p. 176-187, 2011.

DOSTOIÉVSKI, Fiodor. Notas do subsolo. Rio de Janeiro: L&PM, 2008.

DURKHEIM, Émile. As formas elementares da vida religiosa: o sistema totêmico na Austrália. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

DURKHEIM, Émile. As regras do método sociológico. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007. 165p.

DURKHEIM, Émile. Prefácio à segunda edição. In: ______. Da divisão do trabalho social. 4. ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2010.

ERMAKOFF, Ivan. "Patrimony and Collective Capacity: An Analytical Outline". The Annals of the American Academy of Political and Social Science, Vol. 636, Patrimonial Power in the Modern World (July 2011), pp. 182-203.

FAJARDO, Maxwell Pinheiro. Pentecostalismo, urbanização e periferia: perspectivas teóricas. Paralellus, v. 2, n. 4, p. 181-192, 2011.

FRITH, Jordan. Splintered space: hybrid spaces and differential mobility. Mobilities, Vol 7, No. 1, 131-149

GIUMBELLI, Emerson. A presença do religioso no espaço público: modalidades no Brasil. Relig. soc. [online]. 2008, vol.28, n.2, pp.80-101.

GOMES, Laurentino. 1808 – Como Uma rainha louca, um príncipe medroso e uma corte corrupta enganaram Napoleão e mudaram a História de Portugal e do Brasil.

GORZ, Andre. A ideologia social do automóvel. In: LUDD, Ned (org.) Apocalipse Motorizado. São Paulo: Conrad, 2005.

GUSFIELD, Joseph R. La cultura de los problemas públicos: el mito del conductor alcoholizado versus la sociedad inocente. Buenos Aires: Siglo veintiuno Editores, 2014.

JACOBS, Jane. Introdução. In:______. Morte e vida de grandes cidades. 2.ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2009. 510 p.

JIRÓN, Paola. 2010. Mobile Borders in Urban Daily Mobility Practices in Santiago de Chile. International Political Sociology 4 (1): 66–79.

HABRAKEN, N.J. El diseño de soportes.

KANT, Immanuel. Fundamentação da metafísica dos costumes.

KANT, Immanuel. O que é iluminismo? 1784.

KAPP, Silke. Alienação via mobilidade. Oculum Ensaios(PUCCAMP), v. 15, p. 30-41, 2012.

KAPP, Silke. Contra a Integridade.

KAPP, Silke. Produção seriada e individualização.

LÉVY, Jacques. Os novos espaços da mobilidade. GEOgraphia, Niterói,
v.3, n.6, p.7-22, jul./dez. 2001.

MAFRA, Clara. O problema da formação do" cinturão pentecostal" em uma metrópole da América do Sul. Interseções-revista de estudos interdisciplinares, v. 13, n. 1, p. 136-153, 2011.

MARIANO, Ricardo. Expansão e ativismo político de grupos evangélicos conservadores: secularização e pluralismo em debate. Civitas - Revista de Ciências Sociais, [S.l.], v. 16, n. 4, p. 708-726, dez. 2016.

MARIANO, Ricardo. Sociologia do crescimento pentecostal no Brasil: um balanço. Perspectiva Teológica, v. 43, n. 119, p. 11, 2011

MARIANO, Ricardo. Usos e limites da teoria da escolha racional da religião. Tempo social, v. 20, n. 2, p. 41-66, 2008.

MARICATO, Ermínia. A bomba relógio das cidades brasileiras. Revista Democracia Viva, 2001.

MARIZ, Cecília L.; GRACINO JR. Paulo. As igrejas pentecostais no Censo de 2010. In: TEIXEIRA, Faustino; MENEZES, Renata (orgs.). Religiões em movimento: o Censo de 2010. Petrópolis: Vozes, 2013, p.161-174.

MARX, Karl. Crítica da filosofia do direito de Hegel: 1843. 2. ed. rev. São Paulo: Boitempo, 2010. 175 p.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A ideologia alemã. 1.ed. rev. São Paulo: Boitempo editorial, 2011. 614 p.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Manifesto Comunista. Boitempo, 1998.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política. São Paulo: Boitempo Editorial, 2013.

MARX, Karl. Manuscritos econômico-filosóficos. São Paulo: Boitempo, 2004.

MESQUITA, Wania. Os pentecostais e a vida em favela no Rio de Janeiro: a batalha espiritual na ordem violenta na periferia de Campos dos Goytacazes. Estudos de religião, v. 23, n. 37, p. 89-103, 2009.

NIETZSCHE, Friedrich. Prólogo. Assim falou Zaratustra. Civilização Brasileira, 2000.

NIETZSCHE, Friedrich. O Crepúsculo dos Ídolos.

NOVAES, Regina. Jovens sem religião: sinais de outros tempos. In: TEIXEIRA, Faustino; MENEZES, Renata (orgs.). Religiões em movimento: o Censo de 2010. Petrópolis: Vozes, 2013, p. 175-190.

PALHARES, Sérgio. Variantes de modificação em habitação popular.

PIERUCCI, Antônio Flávio. O Crescimento da Liberdade Religiosa e o Declínio da Religião Tradicional: A Propósito do Censo de 2010. In: TEIXEIRA, Faustino; MENEZES, Renata (orgs.). Religiões em movimento: o Censo de 2010. Petrópolis: Vozes, 2013.

PIRES, Lênin. Transportes públicos e representações sobre mobilidade social: possíveis percepções a partir do Rio de Janeiro e de Buenos Aires.

RAJER, Franco. Uma “força anômica” na Literatura. Eutomia-ISSN: 1982-6850, v. 1, n. 01, 2016.

RIVERA, Paulo Barrera. Pluralismo Religioso e Secularização: Pentecostais na periferia da cidade de São Bernardo do Campo no Brasil. revista de estudos da religião, p. 50-76, 2010.

SIMMEL, Georg. A metrópole e a vida mental. In: VELHO, Otávio G. (Org.). O fenômeno urbano. Rio de Janeiro: Guanabara, 4a. ed., 1987.

VAINER, Carlos B. Cidades rebeldes: Passe Livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil. São Paulo: Carta Maior; Boitempo, 2013.

WEBER, Max. “A Ciência como vocação”. In: ____ Ciência e política. Duas vocações. 16ª ed. São Paulo: Editora Cultrix, 2000.

WEBER, Max. A ética protestante e o 'espírito' do capitalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

ZEPEDA, José de Jesús Legorreta. Secularização ou ressacralização? O debate sociológico contemporâneo sobre a teoria da secularização. Rev. bras. Ci. Soc. [online]. 2010, vol.25, n.73, pp.129-141.

Nenhum comentário: